Judô paralímpico: saiba quem pode competir e como começar a praticar a modalidade

ter, 30 mar 2021 08:51:41 -03:00



Alana Maldonado durante luta da categoria até 70 kilos nos Jogos Paralímpicos Rio 2016 | Foto: Cleber Mendes / MPIX / CPB

Alana Maldonado durante luta da categoria até 70 kilos nos Jogos Paralímpicos Rio 2016 | Foto: Cleber Mendes / MPIX / CPB

O judô é uma arte marcial de origem japonesa e que pode ser praticada por homens e mulheres que lutam em um tatame com o objetivo de imobilizar o adversário no solo. Já a modalidade paralímpica é disputada exclusivamente por atletas com deficiência visual.  

No Brasil, o judô paralímpico é administrado pela Confederação Brasileira de Desportos de Deficientes Visuais (CBDV). Para competir, o atleta precisa ter vínculo com uma entidade que ofereça a prática da modalidade. Atualmente, 134 entidades filiadas à CBDV contemplam o judô em todo o território nacional.  

Clique aqui e confira as entidades filiadas à CBDV
 

Regras e Curiosidades  


Como no judô convencional, as lutas paralímpicas são realizadas entre dois atletas. O objetivo é derrubar o adversário com as costas voltadas para o chão, imobilizá-lo no solo por 20 segundos ou forçá-lo a desistir.  

No masculino, as lutas podem durar até cinco minutos, enquanto no feminino, o tempo expira em quatro minutos. As lutas acontecem sobre um tatame que pode ter de 14m² a 16m² de área de combate.  

O judô paralímpico é praticado sob as mesmas regras utilizadas pela Federação Internacional de Judô e tem poucas adaptações em relação ao judô convencional. A principal diferença é que os judocas iniciam a luta já em contato com o quimono do oponente. Além disso, a luta é interrompida quando os lutadores perdem esse contato. Não há punições para quem sai da área de combate.
 

Classes e Categorias  


Como no parataekwondo e no halterofilismo, os judocas são divididos em categorias por peso corporal. Além dessa categoria, os atletas paralímpicos também passam pela classificação oftalmológica e são divididos em três classes, de acordo com o grau da deficiência visual.   

As classes são identificadas com a letra B (blind, cego em inglês): B1, B2 e B3. Quanto maior o comprometimento visual, menor o número da classe. Assim, a classe B1 contempla os atletas cegos e as classes B2 e B3, os praticantes com baixa visão. Nos Jogos Paralímpicos, atletas de diferentes classes podem competir juntos.

LEIA MAIS
Seis informações sobre como se tornar um atleta paralímpico
Medalha em Tóquio pode abrir espaço a mais um ciclo para o judoca Antônio Tenório

 

Principais medalhas do judô paralímpico brasileiro  


O judô entrou para o programa paralímpico nos Jogos de 1988, realizados em Seul, na Coreia do Sul, mas apenas para a categoria masculina. As disputas femininas foram incluídas 16 anos depois, em 2004, nos Jogos de Atenas, na Grécia.  

O responsável pela primeira medalha paralímpica de ouro brasileira foi o judoca Antônio Tenório, em Atlanta 1996. Já as primeiras mulheres brasileiras a subirem no pódio foram Karla Cardoso (prata) e Daniele Silva (bronze), logo na estreia feminina em Atenas 2004. Ao todo, o judô já conquistou para o Brasil 22 medalhas na história dos Jogos, sendo quatro ouros (todos conquistados por Tenório), nove pratas e nove bronzes.  

A judoca Alana Maldonado foi a responsável por conquistar a primeira medalha dourada do Brasil na história em Campeonatos Mundiais do judô. O feito ocorreu na edição de 2018 da competição em Lisboa, Portugal. Ao todo, o judô brasileiro coleciona 10 medalhas mundiais, sendo um ouro, uma prata e oito bronzes.  

Assessoria de Comunicação do Comitê Paralímpico Brasileiro (imp@cpb.org.br)

PATROCINADOR MASTER
Patrocinadora oficial de 11 modalidades paralímpicas
PATROCINADORES
Patrocinadora oficial do Paratletismo Brasileiro
Patrocinadora do Comitê Paralímpico Brasileiro
APOIADORES
Apoiador do Comitê Paralímpico Brasileiro
PARCEIROS
Parceiro do Comitê Paralímpico Brasileiro
Parceiros do Atleta Cidadão