Live Paralímpica: atletas e nutricionista falam sobre a relação do sono com a alimentação

qui, 23 jul 2020 10:12:04 -03:00



A Live Paralímpica, realizada pelo Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), desta quarta-feira, 22, abordou o tema “nutrição na pandemia” e contou com a participação do nutricionista Alan Nagaoka, a nadadora Susana Schnarndorf e o velocista Vinícius Rodrigues. Os convidados contaram os principais desafios nutricionais enfrentados durante a pandemia e ressaltaram a relação entre sono e alimentação.

Iniciada no mês de maio, a Live Paralímpica compõe o conjunto de ações feitas pelo CPB durante a pandemia do Covid-19. A partir de julho, as transmissões ganharam novo formato e assuntos como “psicologia esportiva” e “tetraplégicos no esporte” foram os temas debatidos anteriormente.

O nutricionista do CPB Alan Nagaoka explicou que o principal desafio desde o início da pandemia e do isolamento social foi lidar com as incertezas e emoções dos atletas. “A gente não sabia quanto tempo os atletas ficariam afastados dos treinos. Portanto, adaptamos as estratégias e as dietas com o passar do tempo. Além disso, tivemos de entender como o atleta estava psicologicamente, emocionalmente”, contou o nutricionista integrante da equipe multidisciplinar da natação.

Para Vinícius Rodrigues, recordista mundial nos 100m na classe T63 (para amputados de perna), o desafio de manter a alimentação foi grande por ter ficado na casa da mãe em Maringá, Paraná. “Eu treinava para poder comer a comida da minha mãe, foi basicamente isso. Consegui manter meu percentual de gordura, mas perdi medidas, inclusive no coto e tive que fazer um encaixe novo”, contou o medalhista de bronze no Mundial de Dubai 2019 nos 100m.

Já a nadadora Susana Schnarndorf contou que foi radical durante o isolamento social e seguiu à risca a dieta. “Se eu começo a escorregar em um chocolate, por exemplo, eu descarrilho o trem. Eu comi exatamente o que o Alan me mandava comer e não tinha em casa nada que eu não pudesse comer para não ser tentada”, disse a gaúcha medalhista paralímpica no revezamento 4x50m livre nos Jogos Rio 2016.

Durante o bate-papo, Alan ressaltou a relação sono e alimentação desregrada, com guloseimas. “Sabemos que o dormir mal e comer besteiras estão relacionados, não sabemos exatamente o que leva ao que, se é comer besteira que desregula o sono ou se desregular o sono leva a comer, mas são coisas diretamente ligadas. Manter uma rotina, ter horário para dormir e acordar, fazer algum tipo de exercício físico, ajuda a controlar a alimentação. Não adianta ingerir certos alimentos que ajudam a produzir o hormônio do sono [melatonina] à noite e comer errado o resto do dia ou não fazer a higienização do sono, como evitar telas próximo ao horário de dormir”, explicou.

O paranaense Vinícius contou que durante o isolamento social na casa da mãe, por não ter uma rotina de treinos rígida como o habitual, ficava até mais tarde e próximo ao horário de dormir jogando videogame e que isso atrapalhou seu sono. “Um erro que eu cometi no isolamento foi ficar acordado jogando videogame e quando eu ia dormir e não conseguia dormir. E quem fica mais acordado tem fome e comer certas coisas depois de um horário vira acúmulo. Eu percebi e consegui corrigir isso”, contou o atleta de 25 anos.

A nadadora e o velocista estão no grupo de atletas que retornaram aos treinos na abertura parcial do Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo, no mês de julho.

O nutricionista Alan também aproveitou a transmissão, a partir de uma pergunta do público, para explicar sobre o vegetarianismo e a alta performance. 

“O atleta que é vegetariano precisa prestar mais atenção em alguns nutrientes que são obtidos através da proteína animal, a vitamina B12, a creatina e a leucina. O nutricionista, a equipe técnica, precisa monitorar esses nutrientes porque estão ligados à força, à resistência e consequentemente à performance do atleta. Eu acredito, sim, que um atleta vegetariano possa ser campeão mundial. Basta ter alguns cuidados a mais na alimentação”, explicou.

Nesta sexta-feira, 24, será a vez da Live Tamo Junto, parceria entre o CPB e o COB, com a participação da lançadora de dardo bronze no Mundial de Dubai 2019 Raissa Rocha e da lançadora de disco olímpica Fernanda Borges, bronze nos Jogos Pan-Americanos de Lima 2019.

Confira a Live Paralímpica sobre nutrição na pandemia, na íntegra, abaixo:


Time São Paulo
O atleta Vinicius Rodrigues é integrante do Time São Paulo, parceria entre o CPB e a Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo que beneficia 61 atletas e dois atletas-guia de 11 modalidades.

Programa Loterias Caixa Atletas de Alto Nível
A atleta Susana Schnarndorf é integrante do Programa Loterias Caixa Atletas de Alto Nível, programa de patrocínio individual da Loterias Caixa que beneficia 70 atletas e sete atletas-guia.

Assessoria de Comunicação do Comitê Paralímpico Brasileiro (imp@cpb.org.br)
 

PATROCINADOR MASTER
Patrocinadora oficial de 11 modalidades paralímpicas
PATROCINADORES
Patrocinadora oficial do Paratletismo Brasileiro
Patrocinadora do Comitê Paralímpico Brasileiro
APOIADORES
Apoiador do Comitê Paralímpico Brasileiro
PARCEIROS
Parceiro do Comitê Paralímpico Brasileiro
Parceiros do Atleta Cidadão