Notícias

Velocista se destaca no Camping Paralímpico após passar por 12 cirurgias

Por
Fri, 02 Feb 2018 13:10:00 -0200
Imagem

Com três medalhas de ouro nas Paralimpíadas Escolares de 2017, o velocista João Gabriel Magalhães é agora um dos participantes do Camping Escolar Paralímpico. Após 12 cirurgias e apenas 13 anos, o carioca começou na natação, mas encontrou sua verdadeira paixão no atletismo, em 2016.

Foi a partir de sua fisioterapeuta, na época, que ele conheceu a turma de atletismo da Associação de Vencedores Adaptados (AVA), que fica no Rio de Janeiro (RJ). Junto com seu técnico, ele começou a aprender as técnicas da corrida em cadeiras de rodas, e já no próximo ano, em 2017, foi convocado para as Paralimpíadas Escolares, no CT Paralímpico, em São Paulo. “Meu técnico, Claudemir Santos, me ajudou muito. Participei da Paralimpíada Escolar do ano passado, ganhei três ouros, nas provas de 100m, 200m e 800m  e agora ainda estou aqui no camping”, conta o atleta da classe T54 destinada a cadeirantes.

João nasceu com uma doença congênita rara chamada artrogripose, que se caracteriza por ocasionar múltiplas contraturas articulares e fibrose, além de enfraquecer os músculos. Depois de uma série de cirurgias, ele passou a fazer pequenos movimentos com as pernas, que até então não conseguia fazer. A sensibilidade também melhorou, já que, como ele conta, “qualquer beliscão que você dava nas minhas pernas, eu não sentia nada, agora eu já sinto.” 

Mas para praticar o esporte, no entanto, ele precisa compartilhar uma das cadeiras da AVA, já que os custos para ter uma própria são muito altos para a sua família. “Eu não pude trazer a cadeira do clube para o Camping, porque eles não liberaram, já que outras pessoas também usam. Mas nas Paralimpíadas eu usei a cadeira do clube, ganhei três ouros com a minha cadeira de lá.” 

Depois de realizar o sonho de participar de uma Paralimpíada Escolar e depois do Camping, ele quer continuar treinando ainda mais para participar de mais projetos como esse e de competições. João pretende ainda levar também os conhecimentos adquiridos aqui para a sua realidade, no Rio de Janeiro, que vão desde reabilitação muscular até uma dieta mais equilibrada. “Eu aprendi bastante coisa aqui, coisas que eu não sabia direito sobre alimentação.”

O Camping Escolar Paralímpico vai até dia 5 de fevereiro.

Assessoria de comunicação do Comitê Paralímpico Brasileiro (imp@cpb.org.br)