Notícias

Tóquio 2020 lança competição para definir design de medalhas

Por CPB
Thu, 11 Jan 2018 17:54:00 -0200
Divulgação Imagem

O Comitê Paralímpico Internacional (IPC, em inglês), divulgou na última semana uma competição para o projeto das medalhas oficiais para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Tóquio 2020. A disputa está aberta agora a cidadãos japoneses e residentes do Japão com mais de 18 anos.

A competição é dirigida a pessoas com experiência em design, tanto estudantes quanto profissionais da área. Em uma primeira etapa, os candidatos precisam enviar seus perfis pessoais e exemplos de trabalhos de projeto para avaliação até 19 de janeiro de 2018.

Os candidatos precisam:

• ter 18 anos ou mais até 1 de abril de 2017

• residir no Japão durante o período de seleção (entre janeiro e agosto de 2018)

• ser capaz de se comunicar em japonês - será necessário manter contato com a empresa de criação durante o processo de produção da maquete

• enviar trabalhos de arte 3D em suas carreiras acadêmica ou profissional

As diretrizes de competição estão disponíveis para download no site dos Jogos de Tóquio 2020 (apenas em japonês).

Os escolhidos dessa primeira fase terão que enviar projetos para a medalha olímpica (lado traseiro) e para o design da medalha paralímpica (lados dianteiro e traseiro). Os designers devem enviar suas propostas para os três projetos em conjunto.

O painel de seleção da Tóquio 2020 (TBC, sigla em inglês), composto por membros do Conselho Consultivo de Tóquio 2020, ex-atletas e designers profissionais, analisará todas os projetos e selecionará uma lista de escolhidos até abril de 2018. Os designers escolhidos junto com a empresa de produção terão que criar três mapeamentos dimensionais dos projetos selecionados com o conjunto vencedor selecionado em agosto de 2018. As novas medalhas serão apresentadas em 2019.

As medalhas olímpicas e paralímpicas são muito especiais para todos os atletas. A medalhista de boxe dos Jogos de Londres e a atual campeã na categoria de peso médio da WBA, Ryota Murata, comentou: "As medalhas precisam durar para sempre. Um projeto simples que você nunca se cansa é melhor. As medalhas de Tóquio 1964 e Nagano de 1998 foram impressionantes na medida em que elas trouxeram um sentimento do Japão para eles."

No início deste ano, o Comitê Organizador de Tóquio 2020 iniciou a coleção nacional de dispositivos eletrônicos descartados e obsoletos, para usar o metal que eles contêm na produção de medalhas - a primeira vez que uma abordagem inovadora e ambientalmente amigável foi adotada por um comitê de organização olímpico e paralímpico.

Com informações do Comitê Paralímpico Internacional (IPC)

Assessoria de Comunicação do Comitê Paralímpico Brasileiro (imp@cpb.org.br)