Notícias

Presidente do CPB aponta metas para ciclo Tóquio 2020 no Congresso Paradesportivo

Por CPB
Sáb, 03 Nov 2018 18:09:00 -0200
Daniel Zappe / CPB / MPIX Imagem

O VI Congresso Paradesportivo Internacional chega em seu terceiro e penúltimo dia de evento trazendo ao palco o presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro. Mizael Conrado, para contar a história do esporte paralímpico nacional, sua experiência como ex-atleta do futebol de 5, bicampeão paralímpico e eleito melhor do mundo na modalidade, e seus planos para o movimento paralímpico nacional.

Mizael contou sua trajetória como atleta e como executivo da organização, apresentando para o público presente como foram as preparações dos atletas para os Jogos Paralímpicos de Londres 2012 e Rio de Janeiro 2016. Além disso, Mizael exibiu para os participantes sobre o planejamento do CPB no ciclo 2017-2020, com iniciativas para a expansão do esporte paralímpico de base como o Centro de Formação paralímpica, que conta com quase 500 crianças; o Festival Paralímpico, que aconteceu em 48 cidade para mais de 7.000 crianças com e sem deficiência e uma parceria inédita com as Forças Armadas para detecção e formação de novos atletas de alto rendimento. Para os atletas brasileiros, Mizael apresentou também sua meta de manter o Brasil entre os 10 primeiros nos Jogos Paralímpicos de 2020 e 2024 (Tóquio e Paris) e liderar as conquistas nos Jogos Parapan Americanos de 2019 e 2023 (Lima e Santiago).

“Importante falar das diversas fases e do planejamento dos ciclos anteriores no âmbito do Comitê Paralímpico Brasileiro, tivemos resultados espetaculares. E sobre o novo ciclo, que começou em 2017, com diversas metas importantes como manter o Brasil no topo do esporte paralímpico mundial, e mostrando as ativações fundamentais para a formação de atletas como o Centro de Formação Esportiva e o Festival Paralímpico, parcerias inéditas, tudo isso para trazer ao público que nosso objetivo é deixar o movimento paralímpico mais sustentável”, comentou Mizael Conrado.

Pensando em conquistas além de medalhas, o presidente Mizael Conrado compartilhou outros objetivos do Comitê Paralímpico como metas de participação em mais modalidades, maior número de mulheres competindo, aumentar o número de jovens atletas em finais e de atletas com deficiências mais severas. Fora das competições, o foco será em capacitação de seis mil profissionais do esporte e 100 mil professores de educação física na rede pública.

O Congresso Paradesportivo Internacional, um dos maiores sobre inovações científicas e tecnológicas no paradesporto, conta com mais de 1.700 inscritos conta com 29 atrações até o dia 4 de novembro, divididos entre minicursos, mesas redondas, bate-papo com especialistas e conferências, além de 235 projetos científicos inscritos. O Congresso é organizado pela Academia Paralímpica Brasileira (APB), braço educativo do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB).

Para conferir a programação completa, acesse o site oficial do Congresso: http://www.cpb.org.br/congressoparadesportivo/
 
Assessoria de Comunicação do Comitê Paralímpico Brasileiro (imp@cpb.org.br)